E se fosse você? Fotógrafos mostram a barbárie da indústria da carne colocando humanos no lugar dos animais

Os fotógrafos Anja Grundböck, da Áustria, e o brasileiro Hugo Fagundes realizaram ensaios que todos aqueles que ainda consomem carne deveriam ver. Conheça seus trabalhos nas matérias abaixo.


Fotógrafa troca animais por pessoas em fotos chocantes 
que alertam para o consumo de carne


As imagens são chocantes, quase assustadoras, mas a verdade é que retratam quase que literalmente aquilo que nós, enquanto seres humanos, fazemos diariamente com milhares de animais. A ideia da fotógrafa Anja Grundböck, portanto, é realmente apontar, da maneira mais brutal e inclemente possível, o que de fato é e como se dá o incessante consumo de carne que comemos diariamente.

Para tal, ela resolveu registrar uma ideia simples: fotografar os métodos de abate e cozimento de animais para a alimentação humana, mas mudando um pequeno detalhe: no lugar de bois, cordeiros ou galinhas, ela colocou seres humanos sendo abatidos e cozidos nas fotos.

Sem sequer entrar no terrível aspecto das consequências ambientais a partir da produção e alimentação de gado para a alimentação humana (responsável por grande parte do enorme consumo e desperdício de água e por boa parte dos desmatamentos no Brasil, por exemplo), as fotos de Anja apontam o contundente paradoxo, para dizer o mínimo, a respeito da maneira com que consumimos tais animais.

O ensaio foi ironicamente batizado de Meat Lovers ("Amantes da Carne"), e seu propósito é de fato levantar um debate crítico sobre os profundos efeitos da produção e consumo de carne. O trabalho pode ser visto ao som da canção Meat is Murder ("Carne É Assassinato"), dos Smiths  – lendo a letra, e a melhor definição estará lá.












Fonte: Olhar Animal


Fotógrafo levanta debate ao trocar animais por pessoas 
na fila para o abate em matadouro de SP


Já ouviu falar em "abate humanitário"? Esse é um termo usado atualmente pela indústria pecuária para nos mostrar que a carne que comemos é proveniente de um animal que foi "morto sem sofrimento" - mas será mesmo que isso existe? Um jovem brasileiro decidiu colocar em xeque essa ideia ao realizar um ensaio perturbador, com humanos no lugar de animais na fila de um matadouro.

O projeto foi uma criação de Hugo Fagundes, vegano e morador de Limeira, para seu trabalho de conclusão do curso de design. Denominada Inversão Oculta, a série fotográfica foi realizada em um antigo matadouro abandonado localizado na cidade no interior de SP. Nesse cenário que por si só já seria assustador, ele leva pessoas para simular a fila de um abate e dá o toque final com frases que nos lembram a exploração dos animais.

Uma das fotografias traz a mensagem: "Não existe abate humanitário quando o próximo a morrer é você". No rodapé das imagens, Fagundes também informa que foram gastos 300 dias de estudo para produção do material, e que durante esse tempo o equivalente a 4.717.440.000 animais tinham sido mortos para consumo. O resultado é impactante.






Fonte: Hypeness


NOTA DA NATUREZA EM FORMA:

Animais não são alimento, nenhum deles. Eles não são comida nem escravos dos humanos. Sentem como todos nós e por isso merecem a vida e a liberdade. A alimentação vegetariana estrita, sem carne de qualquer tipo ou derivados (laticínios, ovos, mel), já está provada como sendo a mais saudável para os humanos. Quem opta pelo veganismo (que engloba não somente a dieta vegetariana estrita, como também o não uso de roupas e acessórios de couro, lã, pele e seda, assim como o boicote a "atrações" que exploram os animais, como zoológicos, circos e aquários, e a empresas que fazem testes em animais) está fazendo um bem pelos animais e para sua própria saúde e vida. E não é difícil nem caro. Quer uma ajuda para começar a parar de comer carne? O primeiro passo é a informação. Aprenda com quem já vive esse estilo de vida: pergunte, pesquise. Use as redes sociais para expandir seu conhecimento sobre vários assuntos, inclusive esse, que é vital para você e um imensurável número de vidas inocentes. Há diversos grupos sobre o tema no Facebook. Listamos abaixo alguns deles:

Troll Ajuda disponibiliza um tópico fixo com uma lista de produtos (não só para alimentação) livres de crueldade animal e oferece sempre diversas dicas para iniciantes e "veteranos";

Veganismo é um dos maiores grupos sobre o tema no Facebook, com quase 50 mil membros sempre compartilhando experiências e tirando dúvidas;

Veganismo Popular desmitifica a ideia de que veganismo é caro. É perfeitamente viável seguir uma alimentação diária sem crueldade animal e sem maltratar o bolso;

Musculação Vegana é voltado para os praticantes de atividades físicas. Nele, você pode ver como é preconceituosa e errada a ideia que algumas pessoas tentam propagar, de que vegetarianos estritos são fracos fisicamente (muito pelo contrário, são mais fortes e saudáveis). O grupo oferece diversas dicas de alimentação e suplementação vegana.

Existem ainda sites e blogues com deliciosas receitas veganas, simples e baratas de fazer. Estes são alguns:




Viewganas (canal do YouTube especializado em versões veganas de receitas tradicionais com carne)

Já a Revista dos Vegetarianos é uma publicação mensal (impressa e on-line) com excelente conteúdo que vai bem além de receitas, focando a saúde como um todo.

Mapa Vegano lista diversos estabelecimentos em todo o Brasil, abrangendo produtos e serviços de alimentos e bebidas, higiene e beleza, roupas e acessórios, ONGs e outros.

E para dar uma força aos iniciantes, o Mercy for Animals Brasil disponibiliza um Guia Vegetariano gratuito em seu site. Nele, você encontra diversas informações que podem norteá-lo no começo de uma nova vida. O Desafio 21 Dias Sem Carne também pode ser uma boa forma de você começar - e descobrir que consegue abolir definitivamente os animais do seu cardápio.

Mas já saiba desde o começo que abraçar o veganismo é uma mudança e tanto, que fará um imenso bem para você, para os animais e para o planeta.

Nenhum comentário:

Postar um comentário