Ativistas salvam cerca de mil animais do Festival de Carne de Cachorro, na China



Ativistas chineses salvaram cerca de mil cães e gatos do Festival de Carne de Cachorro, que ocorre na cidade de Yulin, na China. Apesar dos apelos e da controvérsia, o evento voltou a ser realizado neste ano.

Festival de Carne de Cachorro é um evento tradicional organizado anualmente na China onde são sacrificados milhões de cães e gatos. Apesar dos rumores de proibição da festividade, o governo local informou as associações ativistas que o consumo de carne de cão era legal no país e, por isso, a realização do evento era mantida.

Esse foi o maior resgate até agora feito de um caminhão de cães e gatos, na China.  Aplaudimos o trabalho corajoso dos homens e mulheres ao salvarem a vida desses animais aterrorizados que se dirigiam para um massacre brutal”, afirma o especialista de políticas chinesas e membro da Humane Society International (HSI), Peter Li.

De acordo com a HSI, os cães e gatos foram resgatados de um veículo interceptado em Guangzhou, no sul da China. Os animais eram transportados em pequenas jaulas, sendo que alguns deles já tinham morrido asfixiados quando os cerca de 100 ativistas chegaram. Os relatórios feitos pela organização afirmam que o motorista não possuía os certificados de saúde que os regulamentos de transporte animal chineses exigem. A HSI relata também que muitos apresentavam comportamentos de animais de companhia, o que sugere que possam ter sido roubados ou recolhidos da rua.

Segundo Li, esse resgate ganhou mais significado pela participação de vários jovens da localidade de Guangzhou – conhecida como a capital mundial do consumo de carne de cão e de gato -, pois demonstra esperança numa nova China. “Esses novos ativistas são a esperança de uma nova China, livre da crueldade inerente ao comércio da carne de cão.”

Matt Damon e Pamela Anderson foram duas das várias celebridades que se juntaram ao movimento para banir a festividade, em 2016. Cerca de 11 milhões de assinaturas foram recolhidas para abolir o festival, que está frequentemente envolvido em polêmica e criticismo. Por ano, são mortos cerca de 20 milhões de cães e quatro milhões de gatos, segundo a HSI.

Como começou

A primeira edição do Festival de Carne de Cachorro teve início em 2009 para marcar o solstício de verão, estendendo-se por 10 dias. Comer carne de cão é uma tradição chinesa e, de acordo com os dizeres populares, traz sorte e saúde. Alguns acreditam que o consumo pode evitar doenças e aumentar a performance sexual masculina.

Apesar de o evento ser relativamente recente, a tradição tem, pelo menos, 400 anos. A China não possui uma lei de proteção animal, mas especialistas consideram o festival ilegal sob os regulamentos aprovados pelo Ministério da Agricultura em 2013, que requerem quarentena para animais antes do transporte. Porém essa prática é “rara de ver”, de acordo com An Xiang, advogada de direitos dos animais em Pequim. As condições precárias de transporte dos animais também são apontadas como uma ameaça à saúde pública.

Fonte: Observador

Foto: AFP


NOTAS DA NATUREZA EM FORMA:

1. O Festival de Yulin deste ano começou em 21 de junho de 2017 e vai até 30 de junho. The Animal Hope & Wellness Foundation, a ONG que está resgatando e recuperando esses animais, está postando em sua página do Facebook atualizações sobre a luta contra essa barbaridade desde antes do início do evento. Confira aqui.

2. Enquanto isso, em Bali, na Indonésia, a ONG Animals Australia revelava que turistas consomem carne de cachorro sem saber na paradisíaca ilha. Mais uma vez, enorme indignação nas redes sociais. E, mais uma vez, perguntamos: e os bois e vacas, galinhas e frangos, porcos, peixes, carneiros etc., que são igualmente torturados até a morte todos os dias – bilhões ao ano? 

Sabemos que a grande maioria que se horroriza com o que acontece em Yulin compactua diariamente com a tortura e assassinato de animais tão sencientes quanto cães e gatos, que sentem amor, alegria, medo e dor como todos nós, humanos. Pessoas que se revoltam com as imagens de sofrimento de cães e gatos, mas que todos os dias comem o produto do sofrimento de tantos outros animais; que frequentam zoológicos, circos com animais, aquários, shows de golfinhos, rodeios e vaquejadas, selfies com tigres, passeios sobre elefantes e camelos, rinhas de galo, entre tantas outras formas de exploração animal. 

Por que essa compaixão e indignação seletivas? Todas essas vidas são igualmente preciosas. Todos os animais merecem viver com dignidade e em liberdade, sem dor e sofrimento. Não coloque-os em seu prato. Não visite “atrações” em que eles sejam usados, pois são todos vítimas de maus-tratos. Não compre cães e gatos, pois mães e filhotes também são maltratados – em vez de comprar, adote. Não compre animais silvestres, pois eles não são animais de estimação e vêm de tráfico, também sofrendo dor em horríveis situações que levam a maioria à morte. Se você REALMENTE gosta de animais, pode fazer sua parte para ajudá-los com essas mudanças de atitude. 

A parte de deixar de comer animais pode parecer difícil, mas não é. Falamos mais a respeito na quarta nota desta postagem. E recomendamos também o filme Terráqueos, com narração de Joachin Phoenix e trilha sonora de Moby. Veja e faça a conexão. Aqui você pode vê-lo na íntegra e legendado em português.

3. Leia também: 



4. Animais não são alimento, nenhum deles. Eles não são comida nem escravos dos humanos. Sentem como todos nós e por isso merecem a vida e a liberdade. A alimentação vegetariana estrita, sem carne de qualquer tipo ou derivados (laticínios, ovos, mel), já está provada como sendo a mais saudável para os humanos. Quem opta pelo veganismo (que engloba não somente a dieta vegetariana estrita, como também o não uso de roupas e acessórios de couro, lã, pele e seda, assim como o boicote a "atrações" que exploram os animais, como zoológicos, circos e aquários, e a empresas que fazem testes em animais) está fazendo um bem pelos animais e para sua própria saúde e vida. E não é difícil nem caro. Quer uma ajuda para começar a parar de comer carne? O primeiro passo é a informação. Aprenda com quem já vive esse estilo de vida: pergunte, pesquise. Use as redes sociais para expandir seu conhecimento sobre vários assuntos, inclusive esse, que é vital para você e um imensurável número de vidas inocentes. Há diversos grupos sobre o tema no Facebook. Listamos abaixo alguns deles:

Troll Ajuda disponibiliza um tópico fixo com uma lista de produtos (não só para alimentação) livres de crueldade animal e oferece sempre diversas dicas para iniciantes e "veteranos";

Veganismo é um dos maiores grupos sobre o tema no Facebook, com quase 50 mil membros sempre compartilhando experiências e tirando dúvidas;

Veganismo Popular desmitifica a ideia de que veganismo é caro. É perfeitamente viável seguir uma alimentação diária sem crueldade animal e sem maltratar o bolso;

Musculação Vegana é voltado para os praticantes de atividades físicas. Nele, você pode ver como é preconceituosa e errada a ideia que algumas pessoas tentam propagar, de que vegetarianos estritos são fracos fisicamente (muito pelo contrário, são mais fortes e saudáveis). O grupo oferece diversas dicas de alimentação e suplementação vegana.

Existem ainda sites e blogues com deliciosas receitas veganas, simples e baratas de fazer. Estes são alguns: 




Viewganas (canal do YouTube especializado em versões veganas de receitas tradicionais com carne) 

Já a Revista dos Vegetarianos é uma publicação mensal (impressa e on-line) com excelente conteúdo que vai bem além de receitas, focando a saúde como um todo. 

Mapa Vegano lista diversos estabelecimentos em todo o Brasil, abrangendo produtos e serviços de alimentos e bebidas, higiene e beleza, roupas e acessórios, ONGs e outros. 

E para dar uma força aos iniciantes, o Mercy for Animals Brasil disponibiliza um Guia Vegetariano gratuito em seu site. Nele, você encontra diversas informações que podem norteá-lo no começo de uma nova vida. O Desafio 21 Dias Sem Carne também pode ser uma boa forma de você começar - e descobrir que consegue abolir definitivamente os animais do seu cardápio.

Mas já saiba desde o começo que abraçar o veganismo é uma mudança e tanto, que fará um imenso bem para você, para os animais e para o planeta.

Nenhum comentário:

Postar um comentário