ONG pede que fãs de Dory protejam peixes da espécie de capturas ilegais


Organização prevê aumento da procura devido à estreia de filme. 
Cirurgião-patela deve viver entre os corais, e não em aquários (Foto: Divulgação)




A ONG australiana Saving Nemo lançou uma campanha pela proteção dos peixes da espécie cirurgião-patela, mais conhecida pela personagem Dory, da animação Procurando Nemo. Os ativistas preveem um aumento da captura ilegal do animal devido à estreia da continuação do filme, Procurando Dory, nos cinemas.

De acordo com a ONG, mais de 90% de todas as espécies dos aquários marinhos são retiradas do meio natural - até 30 milhões de peixes são fornecidos a partir de 45 países do mundo e cerca de 65% deles são capturados na Indonésia e nas Filipinas. 

Os Estados Unidos são o maior importador de espécies ornamentais marinhas, representando 80% do mercado, seguido da Europa e do Japão.

O cirurgião-patela (royal blue tang, em inglês) não é criado em cativeiro no momento. Por isso, caso seja visto para venda, terá sido capturado da vida marinha, alerta a ONG. Estima-se que 400 mil unidades sejam retiradas do meio natural todos os anos para virar peixes de estimação.

De acordo com o jornal Vancouver Sun, as técnicas para captura desses peixes também fazem mal aos recifes. Os exemplares da Dory vivem em águas costeiras, perto dos recifes de coral. Podem ser encontrados nas águas de Nova York e no Brasil.

A espécie se alimenta de algas, usando dentes afiados para rasgá-las das rochas e corais. A dieta é importante não só para o cirurgião-patela, mas também para os recifes, que não são afetados por uma superpopulação de algas.



Fonte: G1



NOTA DA NATUREZA EM FORMA:

Peixes não nasceram para viver em aquários, assim como pássaros não nasceram para viver em gaiolas, animais silvestres não nasceram para viver em jaulas, cachorros não nasceram para viver acorrentados etc. etc. A liberdade é direito de todos os animais, sem exceção.

Peixes não são comida nem animais de estimação. Aquarismo não é hobby, é exploração animal, desde os que as pessoas têm em casa até os grandes que são usados para entretenimento e cobram ingressos para serem visitados. Por isso, não tenha aquário em casa nem frequente aquários, "atração" similar aos zoológicos - peixes devem viver nos mares, rios e lagos. 

Procurando Dory estreia amanhã no Brasil. E já sabemos de alguns estabelecimentos oportunistas que estão promovendo exposições de peixes pegando carona no filme. Não compactue com isso. Por que se afeiçoar ao Nemo e à Dory e ser cúmplice de suas capturas? Ambos os filmes deixam clara a busca pela liberdade desses animais.

Muitas pessoas usam o mito da memória curta (três, cinco segundos) dos peixes para justificar seu cativeiro, afinal, assim cada volta no aquário seria para eles toda uma vida diferente e nova. Mas isso não é verdade. Leia aqui.

Seja amigo das Dories e Nemos reais. Não seja cúmplice de sua captura e exploração. Não tenha aquário em casa e nunca frequente aquários.


      Foto: Pixabay

Nenhum comentário:

Postar um comentário