Páscoa sem sacanear os animais



Todo ano, a história se repete: criança chora porque quer um coelhinho na Páscoa, os pais compram sem saber que são bichos mais ariscos, que roem as coisas para frear o crescimento dos dentes e comem as próprias fezes (mas só as da madrugada), e toca ONG arrumar espaço, entre cães e gatos, para encaixar as novas vidas abandonadas.

O primeiro alerta deste texto, portanto, é: nunca tomem decisões assim por impulso. E, se vocês realmente sonham com um amigo diferente, ADOTEM. Além do Citronela e do Camomila, que ilustram o post, a Associação Natureza em Forma tem outros 18 dentuços esperando a chance de recomeçar em São Paulo. E o Santuário das Fadas, no Rio de Janeiro, mais alguns ― indiquem outras ONGs nos comentários. ;)

Para quem achou melhor investir nos coelhos de chocolate, vale conferir os ingredientes das embalagens (eles são listados em ordem decrescente de quantidade): quanto mais cacau, menos vacas e bezerros sofreram para produzir o leite usado na receita ― sim, o tratamento é extremamente cruel. Neste site, há opções nacionais e importadas, com e sem soja, e até à base de alfarroba, um substituto menos calórico do cacau.


Sobre a bacalhoada, nem preciso comentar, né?


Foto: Citronela e Camomila, para adoção na Natureza em Forma

Fonte: Gatoca

Nenhum comentário:

Postar um comentário