Eduque, não julgue



O ENDA 2016 – Encontro Nacional de Direitos Animais, evento organizado pela ONG Veddas, está acontecendo neste feriado (24 a 27 de março), no Parque Visão Futuro, em Porangaba (SP).

Nina Rosa, ativista e parceira da Natureza em Forma, foi uma das palestrantes convidadas e falou ontem no Encontro. Segundo ela, o que mais a assusta na atual situação do País é como todos julgam e condenam aqueles que pensam diferente: “É um verdadeiro bullying”.

Ela fez um paralelo entre essa intolerância e a rixa existente entre alguns veganos, vegetarianos e aqueles que ainda se alimentam de carne. Vegana e fundadora do Instituto Nina Rosa – projetos por amor à vida, Nina produziu, ao longo de anos de ativismo, material educativo essencial para a causa animal, como A Carne É Fraca, A Engrenagem e Não Matarás, entre muitos outros filmes e livros.

Mesmo após o encerramento das atividades do INR, em 2015, Nina segue participando de eventos ligados à causa, compartilhando sua experiência e divulgando e distribuindo o material produzido pela ONG. Uma das ativistas na plateia de sua palestra ontem revelou que se tornou vegana após assistir A Carne É Fraca, aos 50 anos de idade.

Nina disse que ela própria comeu carne até os 30 anos, não por maldade ou gosto, mas por falta de consciência. E, para ela, a melhor forma de combater essa falta de consciência é a educação, seja por meio didático - por isso criou o Instituto e produziu vasto conteúdo sobre o tema, para conscientizar as pessoas por meio da informação e apresentação de fatos -, seja por meio de ações ativistas realizadas por ONGs como a Veddas.

“Ninguém vai ser convencido de que a morte e exploração de animais é errado porque alguém lhe apontou o dedo na cara e disse que seu comportamento é condenável. Seu coração não será tocado, a cabeça que será atingida – e, muito provavelmente, essa pessoa continuará comendo carne e sem se importar com todas as outras formas e implicações da exploração animal.”

Em meio à discussão sobre a atuação de certos ativistas e ONGs que focam determinado segmento da causa animal, Nina se colocou contra a crítica de segregação. “Que mal há em uma ONG que defenda exclusivamente o fim dos rodeios, por exemplo?” E concluiu: “Todo esforço é válido. Cada um de nós fazemos nossa parte dentro de nossas habilidades e condições”.

Nenhum comentário:

Postar um comentário