Como adaptar o cachorro à chegada do bebê



Por Tiago Cardoso*


Algum tempo atrás, eu e minha esposa escutamos a seguinte pergunta: "E quando vocês tiverem filhos, o que vão fazer com a cachorrinha?". Ora, ela faz parte da nossa família e assim será para o resto dos nossos dias.

Sim, a vida da família muda e é necessário adaptarmos a casa e o nosso cãozinho para a chegada do bebê, mas, em hipótese alguma, devemos nos desfazer do nosso fiel companheiro.

Os peludos, para estarem equilibrados e seguros, precisam ter uma rotina em seu dia a dia. Eles gostam de previsibilidade. Mudanças repentinas, na maior parte das vezes, acarretam estresse e alterações no comportamento do animal, despertando, inclusive, insegurança e medo de ser excluído da família. Por isso, quanto mais cedo começarmos a inseri-lo na nova rotina, melhor será a adaptação e a convivência com o bebê.

Mesmo que de forma inconsciente e involuntária, a relação com o animal vai mudar após a chegada da criança. Se antes você fazia um carinho na cabeça do peludo ao passar pelo corredor ou conversava com ele enquanto preparava o jantar, agora seus braços ficarão mais tempo ocupados e você passará a conversar com o bebê durante o jantar. Portanto é necessário adaptar o bicho para essa nova realidade.

É necessário ir acostumando o cachorro a pequenas frustrações, como deixar de realizar, aos poucos, todas as suas vontades e ignorar alguns pedidos de carinho, por exemplo. Será importante o peludo brincar sozinho, para compensar a perda de atenção e para que ele gaste energia. Uma boa opção são os brinquedos interativos, que podem ser recheados com ração ou petiscos. Também podemos fazer alguns brinquedos caseiros, como colocar algo que o cão já goste e alguns petiscos dentro de uma meia e deixá-lo destruí-la para pegar o que está dentro.

Outro cuidado que devemos ter é em relação aos locais a que o cachorro não poderá ter acesso, como o quarto do bebê, a cama e o sofá. As restrições devem começar durante a gestação, pois assim evita que ele associe a presença do neném com a perda do espaço.

Durante a gravidez, também já podemos acostumar o animal aos sons, cheiros e visão de um bebê no colo, berço ou carrinho. Coloque para tocar sons de bebês em volume baixo, elogie e recompense seu cão e, conforme ele permanecer calmo, aumente gradativamente o volume. Pegue uma boneca com uma mantinha/cobertor e trate-a como um bebê no seu colo, balançando e conversando com ela.

Esse treino dará para ter uma ideia de como o animal reagirá no momento da chegada do novo integrante. Se ele se aproximar de forma calma e tranquila ou não der muita importância, então você deve recompensá-lo. Mas se ele ficar ansioso, agitado, pular, morder e puxar o cobertor, será necessário treiná-lo para corrigir e inibir esses comportamentos. Também é legal simular a amamentação, a troca de fraldas e o banho, sempre recompensando o peludo por se manter calmo e tranquilo.

Acostume seu cachorro aos cheirinhos do bebê, passando talco, xampu, lenço umedecido na boneca. Coloque paninhos com esses cheiros de neném embaixo do pote de comida, junto aos brinquedos e nos locais onde ele gosta de dormir. Assim, o animal vai associando esses novos cheiros a momentos prazerosos e relaxantes. Logo após o nascimento do bebê, troque esses paninhos por uma roupinha que o neném já tenha utilizado.

Outro treino importante que deve ser realizado é a dessensibilização ao toque, ou seja, o cão deve estar acostumado com pessoas tocando seu corpo e, por vezes, lhe dando puxões. Para isso, você pode começar massageando o peludo e ao mesmo tempo lhe oferecendo algo gostoso como um petisco. Conforme o animal for aceitando o seu toque, então, gradativamente, você deve começar a lhe dar pequenos puxões, simulando uma criança brincando com ele.


Quando o bebê chegar

Como cães aprendem por associação, é legal recompensar o seu peludo com carinhos, petiscos e atenção sempre que ele estiver na presença do bebê. O cão deve achar prazeroso e interessante ter um neném por perto. Os agrados e petiscos podem ser dados a ele por uma pessoa, enquanto a outra segura o bebê. O importante é algo agradável ocorrer sempre que a criança estiver por perto.

Não se deve dar bronca no cão quando ele se aproximar do bebê, afinal ele tem curiosidade de conhecer aquela nova pessoa e nada melhor do que uma aproximação supervisionada para que a adaptação seja tranquila. Se toda vez que se aproximar do bebê, o cão receber uma bronca ou perceber que quando a criança está por perto o casal o ignora por completo, ele terá todos os motivos para ficar enciumado e não apreciar a presença da criança.

Para terminar, evite que a criança, quando já estiver na fase de engatinhar, chegue perto do cão quando ele estiver comendo ou bebendo água e, por mais dócil que o animal seja, nunca devemos deixar uma criança e um cachorro sozinhos e sem a supervisão de um adulto.

*Tiago Cardoso é adestrador da Cão Cidadão




Fotos: Reprodução


NOTAS DA NATUREZA EM FORMA:

1. Os cães têm pensamentos de matilha, o que nós, humanos, chamamos de família. Portanto a chegada de um novo membro é natural para eles, bastando fazer com que participem de todo o processo.

2. Leia também:

Nenhum comentário:

Postar um comentário