Veganismo na infância: crianças vegetarianas

      Foto: Raw Vegan Zone


Por Beatriz Medina*

Como manter a criança vegetariana num mundo de creófagos? Como manter o filho vegetariano se a vovó, a titia, a babá, a professora, a mãe do coleguinha, todos acharão um absurdo uma criança cujos pais, cruéis ou desinformados, a impedem de comer carne? Afinal, o Fantástico / Jornal Nacional / Globo Repórter mostram um médico / nutricionista / professor que diz que criança TEM de comer carne, senão fica desnutrida, senão sofre danos no cérebro, nos órgãos!

É preciso conversar com as pessoas próximas. É preciso deixar claro para elas como é importante a decisão que tomamos para nós e nossos filhos. Isso não tem receita. Cada um e cada relação que estabelecemos com cada um é diferente. É por isso que precisamos ter segurança da decisão que tomamos, para passar essa segurança às pessoas que se relacionarão com os nossos filhos. Nem sempre será possível mandar ou conciliar. Na maioria dos casos, teremos de CONVENCER. E para convencer, é necessário estar convencido.

Depois, é preciso conversar com o próprio filho. Quando a criança começa a se relacionar com outras pessoas fora do lar ou mesmo com pessoas dentro de casa que comem de forma diferente, vai perguntar por quê. Mais uma razão para termos segurança da opção que fizemos. A criança precisa sentir como é importante para nós sermos vegetarianos. E isso não se consegue com palavras, só com atitudes.

E, se além de não dar carne ao seu filho, você ainda decidir não lhe dar açúcar refinado, balas, chocolates, biscoitinhos e outras maravilhas da "alimentação" infantil, prepare-se que o chumbo vai ser grosso. Eu que o diga.

Agora, algumas dicas práticas:

Para uma criança, qualquer criança, vegetariana ou não, é importante que a alimentação cotidiana seja rica e saborosa. Rica significa: variada, com nutrientes de todo tipo. E é importante que a comida seja suficientemente calórica. Se você usa cereais integrais, leguminosas, legumes, verduras e frutas regularmente, provavelmente será. Enriqueça as saladas com bom azeite, castanhas ou nozes picadas, tahine (molho árabe de gergelim, muito rico em gorduras de excelente qualidade e proteínas). Sirva leguminosas variadas – feijões de várias cores, grão-de-bico, ervilha em grão, lentilha. Prepare os legumes com pouca ou nenhuma água (para lhes preservar o sabor), corte e cozinhe cada dia de um jeito diferente (em tirinhas, em rodelas, estrelinhas, no vapor, refogadinho com cebola ou cebolinha, no forno). Criança gosta de comida colorida e variada.

Faça também sanduíches com tahine, missô (pasta japonesa de soja fermentada, salgada, saborosa e muito nutritiva), tirinhas de cenoura crua, alface picadinho (grudarão no tahine e provavelmente não farão muita lambança). Prepare petiscos fáceis como bolinhos de arroz integral (pode misturar um pouco de missô ou sal e cebolinha picada, para dar mais gosto – amassado nas mãos e frito em óleo ou assado no forno), bolinhas de banana com aveia (facílimas de fazer: amasse bananas maduras, misture bastante aveia, forme bolinhas e leve ao forno em tabuleiro levemente untado), biscoitões de aveia (misture aveia e água em partes iguais, um pouco de sal, deixe descansar de 10 a 20 minutos, despeje aos poucos numa frigideira ou chapa em fogo baixo, espere assar e soltar – fica crocante, uma delícia).

Eu fazia muito bolo de farinha de arroz integral: toste o arroz na frigideira seca até ficar dourado e cheirando bem, deixe esfriar, bata em pequenas quantidades no liquidificador ou use um moedor; coloque a farinha – misturada com sal ou açúcar mascavo, a gosto – numa fôrma com buraco levemente untada com óleo, ponha água até um dedo acima da farinha, deixe a farinha absorver a água toda; tampe a fôrma e asse em banho-maria, no fogão ou no forno. Estando seco e assado, desenforme e sirva.

Tudo isso, com mais uma fruta, serve para o lanche ou a merenda da escola e você pode enfeitar – juntar castanha-de-caju picada, passas de uva, banana-passa picadinha, pedacinhos de maçã. Use a sua criatividade.

E os almoços, jantares e festas em família? Um conselho: almoce, jante, faça uma boa refeição LOGO ANTES de sair de casa. Assim, com menos fome, a criança (e você também) não vai ficar tentada a se empanturrar de coisas que a gente preferiria que ela não comesse. Outro conselho: se a situação permitir, contribua com alguns pratos – além de você e seu filho terem o que comer, sempre se consegue mostrar aos outros que, sem carne, podem ser feitas refeições deliciosas.

Há, nos livros e na internet, muita receita de comida vegetariana que agrada às crianças e até para quem segue uma dieta mais naturista, sem industrializados nem açúcar refinado, dá para preparar festas de aniversário capazes de deixar coleguinhas e mães deliciados. 



NOTAS DA NATUREZA EM FORMA:

1. Quais as diferenças entre vegetarianos, vegetarianos estritos e veganos? Saiba aqui.

2. Acompanhe nossa série semanal sobre veganismo na infância. Clique no marcador abaixo e leia as matérias anteriores!

Nenhum comentário:

Postar um comentário