Mitos sobre pombos


Se formos falar das doenças supostamente transmitidas pelos pombos ou aves, seremos obrigados a expor ao ridículo os medos e preconceitos referentes aos pombos. Isso porque tudo aquilo de que são acusados é mito ou puro preconceito por falta de informações corretas. Leia a seguir.

> “Doença do pombo” não existe.

Toxoplasmose adquirida diretamente do pombo é impossível de acontecer, já que o parasita no pombo não desenvolve o ciclo vital e reprodutivo, condição indispensável para se tornar infeccioso ao ser humano. Além disso, sabe-se que a principal causa da toxoplasmose é a ingestão de verduras mal lavadas e carnes contaminadas mal passadas. Infelizmente, você não vai saber se estão ou não contaminadas, pois a aparência não modifica.

> Salmonelose é uma bactéria encontrada até num ovo de galinha, que você pode estar comendo sem saber, e é praticamente sinônimo de comida estragada.

> Tuberculose aviária se difere da tuberculose humana e bovina. Comum a todas as aves, sua bactéria pode ser encontrada no solo, na serragem, nas ostras, nas minhocas e até no leite fresco. Embora o homem seja bastante resistente ao bacilo, suas principais fontes de contágio são carne mal cozida e leite mal fervido.

> “Piolhos de pombo” são ácaros encontrados também em outras aves silvestres e são específicos das penas - mesmo que eventualmente passem para as pessoas que toquem em aves infectadas, não sobrevivem mais que algumas horas, ou seja, morrem de fome, pois faltam penas ao homem para que os piolhos possam se alimentar.

Histoplasmose e criptococose são doenças transmitidas por fungos que se desenvolvem em dejetos, sendo originários também das fezes humanas e de outros animais, do solo orgânico e até de frutas podres. Esses fungos não resistem ao sol e às altas temperaturas do nosso clima. As condições ideais para seu desenvolvimento são os ambientes fechados e com grande acúmulo de matéria orgânica. 


Foto: Reprodução


NOTAS DA NATUREZA EM FORMA:


2. Devido ao preconceito, os pombos são constantemente vítimas de maus-tratos por pessoas ignorantes e más, que os chutam, jogam pedras, atropelam com carros e bicicletas etc. É com frequência que recebemos na ONG esses animais feridos. Nossos veterinários cuidam deles e soltamos aqueles que são capazes de voar novamente. Já os que não podem, por estarem com a asa quebrada, por exemplo, são colocados para adoção. 

Sobre o que dizem em relação a doenças, frisamos que eles podem ficar doentes como qualquer outro morador de rua ou animal. Só colocamos para adoção aqueles recuperados de seus ferimentos e que passaram por quarentena conosco, estando, portanto, saudáveis.

Nenhum comentário:

Postar um comentário