"Vaquejada tem de ser proibida imediatamente", diz veterinária da USP

Prova em Garanhuns (PE), que teve quase mil corridas
(Foto: Adriano Vizoni / Folhapress)


"Todos os procedimentos que os peões impõem aos bovinos nas provas de vaquejada são abusivos tanto em relação à integridade e à saúde do corpo físico desses animais quanto em relação à sua estrutura mental ou psíquica, uma vez que esses animais são expostos, na arena, a perseguição e maus-tratos."

Essa é a conclusão final de um parecer técnico a respeito das provas de vaquejada que foi usado pela Procuradoria-Geral da República na ação que pediu a inconstitucionalidade de uma lei do Ceará que regulamentava o esporte.

Irvênia Prada, professora aposentada da faculdade de medicina veterinária da Universidade de São Paulo (USP), foi uma das autoras do parecer.

Em entrevista à Folha de S. Paulo, ela ratifica sua posição a favor do fim da vaquejada e contesta as ações que a Associação Brasileira de Vaquejada (ABVAQ) está implementando para impedir maus-tratos aos animais.

Folha: Qual sua opinião sobre a vaquejada? A senhora acha que ela deveria ser proibida no País?

Irvênia Prada: Todos nós, ligados aos movimentos de proteção e defesa animal, desejamos que sejam abolidos todos os procedimentos que subjugam e exploram os animais. Com alguns, ainda temos de "negociar", pois não há possibilidade de que parem agora, como é o caso da produção industrial de alimentos de origem animal e a utilização de animais em testes e pesquisas. Mas tolerar que os animais sejam utilizados em espetáculos de diversão já é demais! Sim, sou de opinião que a vaquejada, assim como outros eventos que submetem animais a sofrimento, deveriam ser proibidos imediatamente.

Folha: A senhora fez um laudo técnico que embasou a ação da Procuradoria-Geral da República contra a lei do Ceará que regulamentava a vaquejada. Ele foi encomendado pela PGR?

Irvênia Prada: Não, o parecer técnico sobre vaquejada que elaborei juntamente com a médica veterinária Dra. Vania Plaza Nunes não foi solicitado pela PGR. Ele nos foi solicitado pelo Fórum Nacional de Proteção e Defesa Animal (FNPDA), entidade à qual somos ligadas. Esse parecer e outros anexos tiveram o objetivo de instruir o processo que já se achava em andamento.

Do parecer técnico, constou a análise crítica de repercussões negativas acontecerem tanto no corpo quanto na mente dos animais, quando submetidos aos treinamentos e provas da vaquejada.

A CORRIDA:

Antes da saída, vaqueiros cercam a porta de onde virá o boi, para restringir sua área de escape;
Cada cavalo corre de um lado do boi, imprensando-o;
O esteireiro pega o rabo do boi e o passa para o puxador;
O puxador tem de derrubar o boi, pelo rabo, dentro da faixa demarcada;
Cada dupla precisa derrubar quatro bois diferentes para ir para a final;
Na final, com bois mais pesados (270 a 330 kg), o procedimento se repete.

Folha: Defensores da vaquejada argumentam que é possível praticar o esporte minimizando os riscos aos animais. A ABVAQ diz que, por suas regras atuais – que incluem o uso de protetores de cauda, luvas que não cortam a cauda, um colchão de areia de 50 cm para amortecer a queda etc. –, os animais não sofrem. A senhora acha possível realizar uma vaquejada sem que os animais sofram?

Irvênia Prada: Não, eu não acho possível a realização de uma vaquejada sem sofrimento dos animais. Os próprios defensores da vaquejada admitem a vivência de sofrimento nos animais, ao argumentarem que a regulamentação do evento possa "minimizar" os riscos dos animais. Apetrechos como protetor de cauda, luvas e colchões são recursos utilizados mais para aliviar a consciência dos praticantes – ou para "venderem" a imagem de que são cuidadosos – do que de fato para suprimir o sofrimento dos animais.

Folha: Um estudo da Universidade Estadual de Alagoas (UNEAL), que mede o índice de estresse dos animais da vaquejada – medindo concentração de um hormônio específico, em repouso, antes e depois da corrida –, mostrou que não há variação significativa, o que indicaria que os animais não são submetidos a sofrimento mental. Seu laudo investigou isso? A senhora acha possível tal conclusão?

Irvênia Prada: O parecer técnico que elaboramos focalizou cuidadosamente as possibilidades de ocorrência de lesões físicas e de vivência de dor/sofrimento antes, durante e após o evento da vaquejada, concluindo que os bovinos utilizados nos treinamentos e nas provas de vaquejada têm estrutura física, organização neurossensorial e dimensão psíquica (mental) compatíveis com a vivência de dor/sofrimento ao serem submetidos às condições em que essas provas são realizadas e, ainda, às condições em que os repetitivos treinamentos acontecem. O hormônio a que você se refere é o cortisol e, se o experimento for realizado com rigoroso critério metodológico, o esperado é que ele sinalize, sim, a vivência de estresse agudo nos animais utilizados nas vaquejadas. De qualquer maneira, é sempre necessário que se analise com profundidade todo o contexto, o que fizemos com responsabilidade no parecer técnico que elaboramos.

Folha: Ao menos cinco conselhos estaduais de medicina veterinária (Bahia, Rio Grande do Sul, Minas Gerais, Pernambuco e Alagoas) manifestaram-se favoráveis à continuidade da prática da vaquejada, desde que regulamentada – mesmo argumento usado pela ABVAQ. Como a senhora vê essa proposta?

Irvênia Prada: Se de um lado temos a manifestação favorável à prática da vaquejada desses cinco conselhos regionais, de outra parte temos a manifestação contrária do Conselho Federal de Medicina Veterinária (CFMV), em virtude do trabalho efetuado a respeito por sua Comissão de Ética. Temos também manifestação da Associação Brasileira de Medicina Veterinária Legal (ABMVL), que, em 24 de outubro de 2016, emitiu nota pública quanto à inconstitucionalidade da vaquejada, inclusive destacando a propriedade do parecer que elaboramos, como segue: "O referido parecer técnico se constitui em verdadeira prova material, demonstrando, de maneira clara e detalhada, que os animais envolvidos na prática da vaquejada de fato experimentam dor, sofrimento, estresse e maus-tratos".

Por fim, gostaria de dizer que desejamos e confiamos (todos nós, que trabalhamos em defesa dos indefesos) que os seres humanos, hoje responsáveis por esses eventos e deles participantes, passem a ver os animais com "outro olhar", sentindo que eles não estão à nossa disposição, mas que merecem ser respeitados em sua capacidade de fruírem dor/sofrimento, no direito natural à sua integridade física/mental e em seu direito natural à própria vida. Essa é a forma de dignidade que, segundo nosso desejo, um dia a humanidade irá conquistar e, portanto, merecer.


Fonte: Folha de S. Paulo


NOTAS DA NATUREZA EM FORMA:


1. [Retirado do Facebook do Fórum Animal. Clique aqui e compartilhe em seu perfil da rede social.] O projeto que altera a Constituição para autorizar as vaquejadas (PEC 50/2016) será votado AMANHÃ, 16/11/2016, pelos senadores da Comissão de Constituição e Justiça e de Cidadania (CCJC). Faça um ato de compaixão e tome uma atitude conosco. Envie um e-mail imediatamente para os senadores.

E-mails dos senadores:

aecio.neves@senador.leg.br
aloysionunes.ferreira@senador.leg.br
alvarodias@senador.leg.br
antonio.anastasia@senador.leg.br
antoniocarlosvaladares@senador.leg.br
benedito.lira@senador.leg.br
ciro.nogueira@senador.leg.br
edison.lobao@senador.leg.br
eduardo.amorim@senador.leg.br 
eduardo.braga@senador.leg.br
eunicio.oliveira@senador.leg.br
fatima.bezerra@senadora.leg.br
gleisi@senadora.leg.br
humberto.costa@senador.leg.br
jorge.viana@senador.leg.br
jose.agripino@senador.leg.br
jose.maranhao@senador.leg.br
jose.pimentel@senador.leg.br
lucia.vania@senadora.leg.br
telmariomota@senador.leg.br
romero.juca@senador.leg.br
waldemir.moka@senador.leg.br
valdir.raupp@senador.leg.br 
simone.tebet@senadora.leg.br 
ricardo.ferraco@senador.leg.br
ronaldo.caiado@senador.leg.br
randolfe.rodrigues@senador.leg.br
magno.malta@senador.leg.br
marcelo.crivella@senador.leg.br

Mensagem sugerida:

Exmos. senhores Senadores Membros da Comissão de Constituição e Justiça e de Cidadania do Senado Federal,

Ref: PEC (Proposta de Emenda à Constituição) 50/16 

A Constituição se conduz no sentido do respeito à vida e de proteção dos animais contra crueldade. Jamais poderia ser aviltada por um dispositivo que libera condutas brutais em nome de entretenimento ou da cultura. Mais ainda, as absurdas pretensões da PEC 50/16 são um enorme desrespeito, pois o Art. 225 da Constituição Federal é cláusula pétrea, não podendo ser alterado por uma Proposta de Emenda.

Além da decisão do STF, o Conselho Federal de Medicina Veterinária (CFMV) publicou sua oposição à vaquejada como prática que resulta em sofrimento aos animais e a Associação Brasileira de Medicina Veterinária Legal (ABMVL) também publicou nota contrária às vaquejadas.

A Comissão de Bem-Estar Animal do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento emitiu documento que afirma: "Em provas onde os animais são derrubados, arrastados, sofrem trancos bruscos, atropelos, a ocorrência de lesão e danos permanentes é agravada. Não há forma de protegê-los com a adoção de boas práticas (...)". 

Várias enquetes foram realizadas por diferentes canais de mídia, e até mesmo pelo Senado Federal, apontando o posicionamento da população brasileira contrário à regulamentação de esportes que envolvam a imposição de sofrimento e maus-tratos aos animais. 

Por favor, ajam a favor da democracia, da ética e da compaixão e não aprovem a PEC 50/16.

Atenciosamente,

Seu nome.

2. O movimento Crueldade Nunca Mais está organizando manifestações em todo o Brasil, no dia 27 de novembro de 2016 (domingo), com o objetivo de "chamar a atenção de toda a população sobre o retrocesso iminente e o perigo que isso representa para a defesa dos animais no País".

Confira no blogue Somos Contra Vaquejada quais cidades já aderiram e seus respectivos locais e horários. Se sua cidade ainda não estiver confirmada, você pode cadastrá-la.

No blogue, você pode ainda assinar a petição de repúdio aos rodeios e vaquejadas, bem como votar CONTRA os projetos da vaquejada e se informar sobre as últimas notícias.

3. Leia também:



Nenhum comentário:

Postar um comentário