21 razões para admirar os pombos‏

  Foto: Pixabay



Poucos animais são tão caluniados como os humildes pombos, os habitantes emplumados com quem dividimos as nossas cidades, subúrbios e, se eles tiverem sorte, as ocasionais migalhas.

Mas apesar da reputação típica que as pessoas costumam imputar-lhes, embora injusta e sem fundamento, de “pestes urbanas” ou “ratos com asas”, há inúmeras razões para apreciá-los. 


1. Eles foram os primeiros pássaros domesticados pelos humanos

A relação da humanidade com os pombos remonta aos primórdios da civilização, e provavelmente é até mesmo anterior a isso. Pombos domesticados, também conhecidos como pombos-da-rocha, foram citados pela primeira vez em escrita pictográfica feita em tábuas de argila no período mesopotâmico, há mais de cinco mil anos. Alguns estudiosos acreditam que esses pássaros eram mantidos pelos homens do neolítico, há 10 mil anos.

    Foto: Wikipédia


2. Eles fazem acrobacias no ar

Muitos pássaros são conhecidos por fazerem performances aéreas impressionantes em busca de presas ou para evitar serem capturados, mas poucos realizam movimentos tão incríveis quanto os pombos. Não se sabe ao certo por que eles fazem tais cambalhotas durante o voo, embora alguns pesquisadores venham cogitando que seja simplesmente por diversão.

video



3. Eles aprenderam a andar de metrô

Apesar de serem ótimos voadores, alguns pombos aprenderam a usar outros meios de transporte. Ver um pombo que foi parar acidentalmente dentro de um vagão de metrô não é algo tão raro, mas alguns em Estocolmo, capital da Suécia, parecem ter descoberto como o sistema funciona.

Motoristas de trens afirmam que costumam ver pombos regularmente andando de metrô desde o início dos anos 1990 – e que eles são realmente passageiros modelo.

    Foto: Imgur


4. Eles reconhecem pessoas que são bondosas com eles

Embora possam parecer um tanto distantes, os pombos se lembram de rostos pelos quais eles passam. Em um estudo focado em aves no centro de Paris, uma pesquisadora oferecia comida aos pássaros, enquanto outra os perseguia. Quando isso se repetiu por várias visitas, os pombos começaram a evitar a que os perseguia, e se sentiam atraídos pela que os alimentava, mesmo que elas estivessem usando roupas diferentes.

“Ficou evidente que os pombos reconheceram as pesquisadoras pelos seus rostos, uma vez que ambas eram mulheres e de idade similar, de mesma constituição física e cor de pele”, concluíram a cientista Dalila Bovet e sua equipe.

    Foto: Wikipédia


5. Eles veem o mundo em um caleidoscópio de cores

Sabe-se que os pombos possuem uma visão extraordinária, sendo capazes de diferenciar entre matizes de cores quase idênticas. Humanos, por exemplo, têm um sistema triplo de percepção de cores, enquanto os pombos têm fotossensores e filtros de luz que podem distinguir cinco faixas de espectro – fazendo o mundo lhes parecer um caleidoscópio virtual de cores.


    Foto: Wikipédia


6. Eles são as únicas aves que podem sugar a água


video


7. Eles aprendem o alfabeto

Os pombos não são criaturas simplórias. Um estudo revelou que esses pássaros podem aprender a distinguir cada letra do alfabeto e reconhecê-las de maneira muito similar à dos humanos, até mesmo confundindo certas letras que as pessoas também frequentemente confundem.

    Foto: Wikipédia


8. Eles também são bons matemáticos

Outro estudo demonstrou que os pombos têm a mesma competência matemática dos primatas não humanos, exibindo uma habilidade para aprender conceitos abstratos, diferenciar números de objetos, ordenar pares e julgar quantidades com precisão. Até então, com exceção dos humanos, habilidades equivalentes somente foram registradas em macacos rhesus.

    Foto: Wikipédia


9. Eles podem aprender a jogar pingue-pongue

Nos anos 1950, o psicólogo B.F. Skinner buscou mostrar que o comportamento animal era condicionado por fatores externos, e não apenas pelo instinto. Para ajudar a comprovar seu ponto de vista, ele ensinou diversos pombos a jogar pingue-pongue.

video


10. Um pombo salvou cerca de 200 soldados na Primeira Guerra

Em 1918, durante as semanas finais da Primeira Guerra Mundial, 194 soldados norte-americanos foram presos dentro de áreas dos inimigos e estavam sendo alvejados tanto pelas tropas alemãs quanto por seus aliados, que os confundiam com forças inimigas. Sua única esperança de lançar alertas sobre sua situação estava em diversos pombos mensageiros que eles levaram com eles.

Quando os dois primeiros pombos foram mortos a tiros, um único pombo chamado Cher Ami era tudo o que eles tinham para transportar a mensagem. Apesar de esse pássaro também ter sido baleado diversas vezes após ter deixado o esconderijo, ele sobreviveu e entregou a nota salvadora de vidas. Por essa ação, o pombo recebeu o prêmio “Croix de Guerre”, uma homenagem concedida a tropas estrangeiras pelo exército francês.


    Foto: Wikipédia


11. Eles podem voar a mais de 160 km/h

Embora nem sempre demonstrem isso, alguns pombos podem voar incrivelmente rápido e por longas distâncias, sendo capazes de alcançar até mais de 160 km/h em breves explosões.

video

12. Na verdade, eles podem ser mais rápidos que a internet

Em 2009, um pombo chamado Winston provou ser mais rápido que o serviço de internet oferecido pelo maior provedor da África do Sul. A ave foi colocada em linha com um provedor de internet, carregando um cartão de memória de 4GB durante um percurso de 60 milhas. Winston foi capaz de transferir fisicamente os dados em uma hora, enquanto o provedor levou duas horas para fazer o download digital.

    Foto: Wikipédia


13. Eles ajudaram a estabelecer a agência de notícias Reuters

Em meados de 1840, antes do início do que se tornaria uma das maiores agências de notícias internacionais, Paul Julius Reuter estava estudando melhores formas de distribuir informação em tempo real. Suas primeiras tentativas começaram com um serviço envolvendo o uso de bandos de pombos-correio para entregar correspondências a grandes distâncias, até serem substituídos pelo posterior uso do telegrama.

    Fotos: Wikipédia / Pixabay


14. Eles foram os pioneiros em fotografia aérea

Não muito tempo após terem sido “aposentados” do ramo de notícias, os pombos adentraram o universo da fotografia. Em 1907, um farmacêutico alemão chamado Julius Neubronner desenvolveu câmeras para serem acopladas a pássaros. Esses anéis leves eram presos a pombos que deveriam tirar raras fotos aéreas durante o voo. Antes disso, tais imagens somente podiam ser capturadas com o uso de balões.

    Foto: Wikipédia


15. Eles são monogâmicos

E parecem realmente gostar de seus cônjuges.

    Foto: Ingrid Taylar


16. Eles também se tornam grandes pais

Machos e fêmeas de pombos dividem igualmente as responsabilidades de cuidar do ninho, sendo que ambos incubam os ovos para dar um ao outro a chance de se alimentar e descansar. Em vez de fazerem ninhos em árvores, eles preferem começar suas famílias na segurança de aberturas de rochas ou, se em ambientes mais urbanos, geralmente escondidos em topos e laterais de edificações.

    Foto: Pixabay


17. Seus filhotes são graciosos, mas raramente são vistos

Filhotes de pombos são raramente vistos, pois seus cuidadosos pais apenas permitem que eles saiam após estarem plenamente crescidos. Eles são assim:

    Foto: Flickr / Leeno


18. Nikola Tesla amava pombos, e ele era um gênio

Além de seus estudos em eletricidade, o famoso e excêntrico inventor Nikola Tesla tinha uma forte obsessão por pombos. Ele era conhecido por fazer caminhadas diárias no parque para alimentá-los, e até mesmo levava alguns para sua casa, quando os encontrava feridos.

Mas uma fêmea branca conquistou a afeição de Tesla em particular, mais do que os demais, e ficou com ele como animal de companhia e amiga até sua morte.

“Eu amava aquela pomba, e ela me amava”, escreveu ele certa vez. “Enquanto estive com ela junto a mim, havia um propósito em minha vida.”

    Fotos: Wikipédia / Pixabay


19. Picasso também admirava pombos, e sua filha recebeu seu nome em homenagem a eles

Conhecido por gostar de trabalhar ao ar livre, o artista Pablo Picasso claramente recebia muita inspiração das criaturas de penas que viviam aos seus pés. Os pombos foram um tema frequente em seus trabalhos, como seu Le Pigeon aux Petits Pois (O Pombo e as Ervilhas), de 1911.

Picasso até mesmo deu o nome de Paloma à sua filha, que em espanhol quer dizer “pomba”.

    Foto: Wikipédia


20. O adorável e extinto dodo era basicamente um grande pombo

Pesquisadores estudiosos do DNA afirmam que os pombos são os parentes vivos mais próximos da extinta espécie de pássaro não voador chamada dodo.

    Foto: Wikipédia



21. Eles estão em toda parte onde também estamos

Hoje, estima-se que haja 260 milhões de pombos habitando virtualmente cada cidade no mundo, vivendo e interagindo com humanos talvez mais do que qualquer outra espécie animal do planeta.

Talvez pelo fato de serem tão abundantes, as pessoas tenham a tendência de ignorar as criaturas notáveis que eles verdadeiramente são.

    Foto: Wikipédia / Pixabay


Fonte: The Dodo



NOTA DA NATUREZA EM FORMA:

Os pombos não são apenas ignorados, mas também, infelizmente, vítimas de maus-tratos por pessoas ignorantes e más, que os chutam, jogam pedras, atropelam com carros e bicicletas etc. É com frequência que recebemos na ONG esses animais feridos. Nossos veterinários cuidam deles e soltamos aqueles que são capazes de voar novamente. Já os que não podem, por estarem com a asa quebrada, por exemplo, são colocados para adoção. 

Sobre o que dizem em relação a doenças, frisamos que eles podem ficar doentes como qualquer outro morador de rua ou animal. Só colocamos para adoção aqueles recuperados de seus ferimentos e que passaram por quarentena conosco, estando, portanto, saudáveis.

O adotante, por sua vez, deve ter um viveiro ou quintal fechado onde o animal fique protegido, de no mínimo 3 x 3 metros.

Caso você tenha um espaço assim, em seu terreno e em seu coração, dê uma chance aos pombos. Adote-os, eles também merecem - você viu que há pelo menos 21 razões para isso!

       Uma de nossas ações de soltura de pombos
recuperados na ONG


      Pombos para adoção

Nenhum comentário:

Postar um comentário